• exlibrisbrasil2020

O Castelo e os ex-líbris da família Smith de Vasconcellos

Por Mary Komatsu (Caçadora de Ex-líbris)


Neste sábado (11), finalmente conheci o Castelo de Itaipava situado no bairro do mesmo nome em Petrópolis, RJ.

Entrar num castelo é como entrar num mundo de realeza, de cavaleiros medievais, de reis e rainha. O Castelo Barão de Itaipava, como era conhecido, foi encomendado por um aristocrata e nobre-brasileiro Rodolfo Smith de Vasconcelos, o segundo Barão de Vasconcellos em 1920. Foi projetado pelo arquiteto Lucio Costa e seu amigo Fernando Valentim, em estilo medieval com traços de arquitetura renascentista, foi inspirado nos castelos da Europa. Lá viveu uma ilustre família de barões, os Smith de Vasconcellos.

Cada detalhe da arquitetura é deslumbrante e rico em detalhes. O castelo foi construído com material europeu, como o mármore de Carrara, que compõe o piso de vários salões. As imensas portas e janelas são de jacarandá e os vitrais austríacos. Na porta dos quartos dos filhos do barão tinham seus nomes gravados em ouro, mas infelizmente foram retirados por questão de segurança. Atualmente, o castelo além de ser uma atração turística, é um hotel e um espaço para eventos, como casamentos e grandes festas. Uma curiosidade, o barão Jaime Smith de Vasconcellos era avô da ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy. Aliás o nome completo dela é Marta Teresa Smith de Vasconcellos Suplicy.


O meu interesse em conhecer o Castelo se deve aos seus proprietários que tinham seus ex-líbris. O primeiro ex-líbris que conheci foi o ex-líbris de Nuno Smith de Vasconcellos no catálogo da 1ª Exposição Brasileira de Ex-líbris do Museu Nacional de Belas Artes, quando eu estava organizando a exposição virtual “Dos livros: Ex-líbris nas coleções do MNBA” em 2016. Podemos observar que neste ex-líbris apresenta elementos artísticos e representativos do MNBA, como a imagem da Vitória de Samotrácia, inspirada na deusa Nice, que exalta os náufragos e os combatentes navais. A obra original encontra-se no Museu do Louvre, é de autoria desconhecida, foi realizada no período helenístico e encontrada em 1863. O Museu Nacional de Belas Artes possui uma moldagem em gesso, peça doada em 1929 pelo governo francês.


Nuno Smith de Vasconcellos era membro da comissão da Sociedade Brasileira de Ex-líbris (SABEL), participou da 1ª Exposição Brasileira de Ex-líbris no MNBA e foi um dos expositores com a maior coleção de ex-líbris brasileiros na época, com mais de 7.000 peças. Na mostra participaram 700 ex-líbris de sua coleção.


Outro momento que deparei com os ex-líbris da família Smith de Vasconcellos, foi em 2019, durante a visita à Biblioteca Pública do Paraná em Curitiba, onde conheci outras versões dos ex-líbris de Nuno Smith de Vasconcellos, com temática sobre heráldica e erótica. Destaco também os ex-líbris: Alexandre Rodolfo Smith de Vasconcellos, Guiomar Eugenia Smith de Vasconcellos, Jose Smith de Vasconcellos, Rodolpho Smith de Vasconcellos e Vasco Smith de Vasconcellos.



Na Biblioteca do Museu Imperial, em Petrópolis também possui um ex-líbris da família Smith Vasconcellos, como a do Rodrigo Smith de Vasconcellos, Vasco Smith de Vasconcellos, Guiomar Eugenia Smith de Vasconcellos e Nuno Smith de Vasconcellos.


Percebi que todos os ex-líbris encontrados não estavam afixados em livros ou em alguma coleção. São ex-líbris soltos. Fica a dúvida: será que a família Smith de Vasconcellos fez os ex-líbris para a sua biblioteca particular?


Imagens:

  1. Vista frontal do Castelo de Itaipava.

  2. Sala do Zodiaco (Interior)

  3. Ex-libris de Nunos Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Pública do Paraná)

  4. Ex-líbris de Rodrigo Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Museu Imperial)

  5. Ex-líbris Guiomar Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Museu Imperial)

  6. Ex-líbris Vasco Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Museu Imperial)

  7. Ex-líbris de Nuno Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Pública do Paraná)

  8. Ex-líbris de Rodolpho Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Museu Imperial)

  9. Ex-líbris de Nuno Smith de Vasconcellos (Acervo Biblioteca Pública do Paraná).


700 visualizações0 comentário